quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

PARTIDA

E a gaivota olhou, no azul e no branco se fixou, as brancas nuvens estavam ali tão perto estudou o seu caminho, abriu asas, levantou voo e partiu.
VOA, VOA, VOA!!!

Isabel Cabral

«... tu tens a liberdade de ser tu próprio, o teu verdadeiro eu, Aqui e Agora; nada se pode interpor no teu caminho.»

Richard Back

15 comentários:

Canduxa disse...

Isabel,

Somos como as aves...capazes de voar, voar e voar. Ninguém nos impede, só precisamos de desejar fazê-lo aqui e agora.

As palavras de Richard Back, são perfeitas.

Beijinho de luz

ematejoca disse...

A partida é sempre muitíssimo mais dolorosa para quem cá fica.

A frase do Richard Bach é do seu famoso livro "A Gaivota Jonathan".
Tenho um outro livro "Illusions". Sabe, se também está traduzido na nossa língua?

BC disse...

Só há pouco cheguei a casa,e só agora venho responder, a Teresa pergunta se o livro "Illusions" está traduzido, ou o "Fernão Capelo Gaivota"???
Em português, claro está, é essa a pergunta?

ematejoca disse...

O livro mais famoso de Richard Bach é o da gaivota Jonathan, que na nossa língua se chama "Fernão Capelo Gaivota"!!!
Claro, que esse livro já está traduzido em português.
Eu tenho um outro livro dele, que em inglês se chama "Illusions", e é esse livro que eu gostava de saber se também está traduzido em português.

Multiolhares disse...

Todos nós temos o dever de abrir as asa e voar de encontro á liberdade que habita em nós
beijinhos

Viviana disse...

Olá, Isabel!

Primeiro que nada, impressionou-me sobremaneira, a alvura da gaivota!

Que beleza!

Depois, depois apreciei muito as suas palavras...

Cada uma burilada e trabalhada com o seu coração e a sua sensibilidade.

È assim que eu a vejo...
retratada na beleza do que escreve.

Obrigada por estas prendas que aqui nos oferece.

Um beijo

viviana

Margarida Fernandes disse...

Olá Isabel,

Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach...há quanto tempo "não me lembrava" deste livro.

Há muitos anos recordo-me de ter ido ver o filme, baseado no livro, e de como adorei a música, as paisagens...
Era bastante miúda mas marcou-me. Consegui perceber, na altura, o essencial da mensagem que o autor nos queria transmitir.

Beijinho

Bom fim-de-semana

BC disse...

Teresa, já fui à Fnac, o livro existe em português, está esgotado neste momento (aqui em Cascais), mas estão à espera, vou ver se depois lá vou para ver, e se me interessar compro, visto não saber do que se trata, mas deve ser certamente semelhante ao Fernão Capelo, pela maneira de escrever do Back.

Fátima André disse...

Magestosa! Linda!
Excelente fim de semana!
:)

ematejoca disse...

Para já estou-lhe muito grata pela informação. Tenho sempre grande curiosidade em saber que livros estão traduzidos na nossa língua.
Se a Isabel é fã do Richard Bach e do seu Fernão Capelo talvez goste de "Illusions". Embora a maneira de escrever seja parecida o Fernão é mais interessante.
Desejo-lhe um fim-de-semana muito agradável e as melhoras.

Conceição disse...

Olá Isabel!

Tem um miminho para si no blog do David. Gostei muito do poema. Beijinho e um domingo maravilhoso

Conceição disse...

Olá Isabel!

Tem um miminho para si no blog do David. Gostei muito do poema. Beijinho e um domingo maravilhoso

alegria de viver disse...

Olá querida
Tão bom quando se pode voar sem culpas.
Viva a liberdade de mente sã.
Com muito carinho BJS.

Nilson Barcelli disse...

Todos nós precisamos de asas. Pelo menos de vez em quando...
Querida amiga, bom Domingo.
Um beijo.

poetaeusou . . . disse...

*
que belo post !
,
minha Amiga
e aquele Hino á Alegria !
em bailados esvoaçantes
emitindo gritos sonantes
em acrobacias voando.
como a Gaivota do Alexandre O’Neill !
“se uma gaivota viesse
trazer - me o Céu de Lisboa”
ou as Gaivotas adulando as Sereias,
de Vitorino Nemésio.
“eu vi-as. as Sereias.
nas rochas. da minha Ilha”
,
Conchinhas voantes, deixo,
,
*