sábado, 28 de fevereiro de 2009

Renda de bilros


Já não sou pássaro
da noite cansada,
deixei de ser areia,
galopei nas rendas com os meus lábios granito.
Cheio de nós de poeira e de neblina
senti um sorriso a colidir no cartão sobre a almofada
quando me vi entre rendas de casar,
malmequer, martírios e limão.
É verdade que eu não estou habituado ao silêncio
que vem das pétalas, ainda que sejam lindas
mas gosto de ver rodar entre os meus olhos
no som e no movimento
colorido dos bilros,
no cântico da renda dos corais,
no grito das gaivotas,
o desenho branco, entrançado,
rendado,
do nosso caminho poeta de açafrão
e o delírio do nascimento de flores
e espuma
dos nossos corpos de renda em ondas tímidas.
Que há rendilhados e música no pólen do açafrão
e, no esplendor dos dias cinzentos
de tempestade,
são as rendas de bilros o bailado.

João Paulo Calado


CADA VEZ ME CONVENÇO MAIS, DE COMO É BOM SER CRIANÇA, OUVIR O SOM DAS GAIVOTAS, MERGULHAR NO MAR, E SORRIR PARA AS ESTRELAS.
E NÃO ME CONVENÇAM DO CONTRÁRIO.

Agradeço ao meu irmão João por este bonito poema que me proporcionou e me deixou publicar.

16 comentários:

Marta Vasil disse...

Isabelita

Que poema! Parabéns ao irmão. Ao que observo os genes "poéticos" passaram de alma em alma.

Espero que estejas melhor. Beijinhos e um fim de semana de muita alegria.

MV

contracena disse...

Olá Isabel (sletras). Gostei do poema do seu irmão e é bom sim, ser criança. Como não o podemos ser eternamente, quando estamos na sua companhia é importante viver/partilhar todos os momentos!

Um abraço.
Fátima

Nuno de Sousa disse...

Olha eu ainda sou uma criança e adoro continuar a ser :-)
Belo o teu post, belo texto amiga.
Deixo uma grande bjoca de um bom FDS,
Nuno

Marta disse...

Não, não vou convencer-te do contrário...
Sinto o mesmo...Quando estou triste, mesmo no fundo do poço, nesses dias cinzentos, procuro o Mar...
O poema é um "sorriso" cheio de cor...
Adorei...
Beijos e abraços
Marta

Sônia Brandão disse...

Muito bonito o poema do seu irmão.

Não deixe que morra nunca a criança que existe dentro de você, deixe que ela se mostre quando lhe apetecer.
Beijo.

Fragmentos Betty Martins disse...

.______querida Isabel


que "esplendor" este poema


parabéns ao seu irmão


.belo_____muito belo


__________///




peço a Deus todos os dias


.que


a.criança.que.existe


dentro de mim



nunca_______me abandone:=)








beijO______ternO
bDomingo

ematejoca disse...

O poema aqui não é só bonito __
o poema aqui é verdadeira poesia. Uma poesia fina e leve como as rendas de bilros.

Isabelinha, não precisamos de ser crianças para gostarmos de ouvir o som das gaivotas, mergulhar no mar, e sorrir para as estrelas __
nós só precisamos de amar a natureza __ e amarmos a vida!

Sorri para as estrelas e elas disseram-me, que o mês de Março vai ser fantástico para todas nós!

BC disse...

BOM DIA TERESA,
Ontem já não deu para responder
Eu sei que não precisamos ser crianças para ouvir o som das gaivotas, mergulhar no mar, e sorrir para as estrelas__________

No entanto a criança guarda em si uma pureza, uma ingenuidade, "genuina" que o adulto já não consegue ter, por mais voltas que dê, por isso eu continuar a ser criança porque acho que consigo ainda ter um pouco dessa ingenuidade e pureza das crianças.
Acredite embora a Teresa não concorde muito, eu sou uma romântica incorrigível, com muita ingenuidade, nunca ponho mal nas coisas e depois...depois, não vou dizer a palavra, mas é uma chatisse.
Eu só vejo depois das coisas acontecerem, não ponho mal em nada, daí a ingenuidade quase infantil, mas não me importo, sou assim e serei sempre,isto é genético.
Há uma pessoa que se me ler deve estar a pensar "A quem sairás minha filha"??????
BEIJINHOS
Isabel

gaivota disse...

crianças somos sempre, mesmo quando estamos a caminhar para velhos... ouvir as gaivotas, mergulhar no mar, olhar as estrelas, tudo que há de melhor!
e renda de bilros, que são lindas, de muito trabalho, feitas pelas mãos habilidosas de alguns artesãos, como se faz em peniche...
parabéns pelo texto a ti e ao teu irmão
beijinhos

Artista Maldito disse...

Bom Dia Isabelita

Como já nos conhecemos e não precisamos de fazer cerimónias, venho só para lhe desejar um óptimo Domingo.

Virei comentar este belo poema, por agora dou os parabéns ao seu irmão, é uma família de poetas.

Beijinhos
Isabel

pin gente disse...

lindíssimo poema.
e não vou tentar convencer-te que não é bom ser criança, ouvir as gaivotas, mergulhar no mar e sorrei para as estrelas... porque sei que é bom!

beijo

ematejoca disse...

Hoje sorri ao sol... e à próxima Primavera. Bem preciso, que chegue depressa.

A Vanessa é minha filha... e a única que se parece comigo.

Boa noite, Isabelinha, estou quase a dormir_____

Nuno de Sousa disse...

Mais um texto bem escolhido assim como imagem... belo post amiga.
Fica a minha bjoca e uma boa semana para ti,
Nuno

Joana Carvalho disse...

Bonito texto...! Depois de uma semana de ausência, estou de volta... Beijinho e boa semana amiga Isabel.

Artista Maldito disse...

Olá Isabelita

Voltei a ler o poema do seu irmão e é uma pérola. Recolher na natureza o que ela tem de belo e bom só nos pode deixar mais leves para transformarmos a realidade do nosso quotidiano.

Estive a descansar e agora vim aqui deixar-lhe o meu habitual BEIJINHO
Isabel

Artista Maldito disse...

Olá Isabelita

Parece que perdi o comentário.

Vou tentar de novo. O poema do seu irmão é uma verdadeira pérola, cheio de harmonia e tão delicado como uma renda.

Continuemos a olhar a natureza naquilo que ela nos oferece de belo e bom. Assim podemos trans formar a realidade do nosso quotidiano com criatividade.

Estive a descansar até agora e vim aqui deixar-lhe o meu Beijinho do costume,

Isabel