quinta-feira, 23 de abril de 2009

Carta para Natália


À memória de Natália Duarte Silva Teotónio Pereira
que faleceu a 23 de Abril de 1971, antes de poder ver o Dia da Liberdade (faleceu de parto)

Eu, que te dei um beijo de tristeza
na face fria e calma,
sei que ressuscitaste.
Porque só morre quem não sabe viver,
Natália.

Sei que ressuscitaste.
Porque me continuas a ensinar
que é urgente, é preciso,
recomeçar todos os dias
um novo sonho.

Sei que ressuscitaste.
Porque não foi em vão que as tuas horas
foram feitas de lágrimas e querer,
porque não foi em vão que a tua
mão aberta
se abriu para quem ama e desespera.

Que desde as planícies mártires do Alentejo
ao desespero mudo da cidade,
desde o ninho emigrado de Marvão
aos casebres sem fé dos que ficaram,
a tua
mão aberta
soube lutar
e amar,
soube, serenamente acreditar.

Obrigado, Natália, pelo que me deste, e dás
um mundo sem fronteiras nem mentiras,
uma terra sem ódios nem algemas
onde a esperança e a paz sejam bandeira
e onde o amor seja seara e ceifa.

Obrigado Natália, pelo que me ensinaste
a razão de viver
por entre as nossas horas vigiadas,
por entre as nossas palavras censuradas,
por entre os nossos beijos proibidos,
por entre a morte que espreita os nossos passos,
a razão de viver
esperando um novo dia.

Obrigado, Natália, por me teres ensinado
a saber esperar um novo dia.

Que esse dia, Natália, há-de chegar.

Há-de chegar.

Contigo
saberemos esperar.

Mariano Calado in Fogo de Santelmo (1973)

PORQUE HOJE TIA NATÁLIA, FAZ ANOS QUE PARTISTE, E PORQUE ESTAMOS EM ABRIL!!!

6 comentários:

ematejoca disse...

Estou muito comovida por causa deste sublime poema, e pela morte de duas Natálias, uma jovem e a outra de idade, mas a dor é a mesma para os que ficam.

poematar disse...

Bela homenagem: Belo poema. Um beijo.

Luis Portugal disse...

Olá Isabel
Quando uma pessoa, mesmo para além da vida é lembrada desta forma, palavras para quê? O gesto responde por si... Parabéns!
Onde quer que essa pessoa esteja, estará certamente grata pela amiga que ficou para trás.
Tenha um Bom Fim de Semana.
Beijinhos

Artista Maldito disse...

Olá Isabel

Um poema de excelência, uma homenagem com muita dignidade.

Em Abril um cravo se abriu e para sempre viverá!

Beijinhos

Maria Emília disse...

Magnífico poema escrito por uma alma muito grande. Obrigada por fazer viva esta homenagem, em Abril.

Um grande abraço,
Maria Emília

Viviana disse...

Olá Isabel,

Que alma bela tem o seu pai!

Estas palavras por ele escritas,
permitem-nos ver e sentir... o "seu sentir".

O mundo precisa de pessoas assim.

Parabens por ele e por o poema.

tenha um lindo dia

um beijo

viviana