terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Afectos - Pai

Como gosto de fazer sempre uma pequena introdução aos meus poemas, hoje vou falar duma senhora que acabei de ver na TV - Graça Gonçalves uma médica que criou algures perto de Aveiro ,uma Casa Chamada "Casa dos Afectos, "casa essa que recebe toda a gente seja qual for a idade, raça ou cor uma casa maravilhosa, mas independentemente disso a intenção com que foi criada é o mais importante, onde se dão afectos e amor a quem por lá passa e precisa dum pouco de atenção."GRAÇA GONÇALVES" UM NOME A RETER

E como de afectos se trata será uma boa altura para transcrever um pequeno poema que fiz ao meu pai no dia do lançamento de um dos seus livros, como sempre comovi-me e enchi-me de orgulho e mesmo lá sentada, na minha cabeça o poema surgiu e o nome que lhe dei foi precisamente "Afectos"e hoje só este faria sentido escrever aqui.

Afectos

Foi mais um dia de afectos
E os afectos são bons,
Afazem parte de nós,
Fazem parte da vida.
Pelos afectos chorei,
Pelos afectos recordei,
Dos afectos me orgulhei,
Com os afectos continuarei.

Pai

A tua força me dará força
A tua mão me guiará
E nos dias em que as pernas
Não me obedecerem,
Porque desisti de lutar
-Pois quantas vezes
No mundo ando só-,
Eu sei, pai,
Que a tua mão me ajudará
A caminhar
E então seguirei

2 comentários:

Verme de Canteiro disse...

Perdoe-me,

É que mais uma vez agradeci a Deus, pois tenho Pai vivo...
Além de Deus que é Pai também. Aliás, o Pai da criação.


Do Patrício,
Do Brasil,

Mauricio

Anónimo disse...

São só afectos, é tão bom quando assim acontece...
Até sempre