domingo, 28 de setembro de 2008

Curiosidades




É na casa de Neruda em Valparaíso, que reparo
numa coisa curiosa:
a dimensão política de Magalhães.








Neruda era um menino. Nunca cresceu. A prová-lo está o seu idealismo: um homem que se mantém comunista pela vida fora é um homem que nunca deixa de ser menino. Mas é por outra razão que penso no poeta como um menino. Pelos brinquedos.
Neruda coleccionava tudo: bússulas, berloques, conchas, pedras, quadros, copos e coisas que já não existem nem têm biarras. Visito a sua casa, La Sebastiana, hoje um museu, que se encontra em Valparaíso, no alto das muitas colinas que se enfiam pelo mar adentro e que permitem identificar a cidade entre outras mil do mundo.
Neruda? Que tem Neruda a ver com este livro? Explico: não ando perdido nos meus passos pela vida de Magalhães. A porta do Chile é sempre este corredor central que une o porto de Valparaíso ao aeroporto de Santiago. E, eu, depois de percorrrer a Patagónia e a região do estreito
de Magalhães, aproveito para descansar uns dias em Valparaíso. A visita à casa-museu de Pablo Neruda seria uma tentativa de me abstrair por umas horas do meu projecto sobre a vida de Magalhães. Mas não consigo. Neruda não me deixa.

Nos Passos de Magalhães -Gonçalo Cadilhe (excerto)

De PABLO NERUDA:
"Nega-me o pão, o ar
a luz, a Primavera
mas nunca o teu sorriso
porque então morreria."

6 comentários:

1/4 de Fada disse...

Neruda é um dos meus poetas preferidos. O poema de que escolheste o excerto também eu já o pus há um tempo no meu blog, é lindo...

f@ disse...

Vinha aqui só deixar um beijinho ... mas o post era irresistível... e fiquei a ler o sabor dele e a relenbrar o Carteiro...
beijinhos das nuvens

Marta disse...

Gosto muito de Neruda e há vários poemas dele no blog...
Obrigada pela visita...
Ate já
Beijos e abraços
Marta

Viviana disse...

Olá Isabel,

Aprecio bastante a obra de Neruda.

Não conheço assim tanto como gostaria de conhecer... mas o que conheço, gosto.

Do Gonçalo Cadilhe, li há algum tempo atrás "A lua pode esperar" que é um livro belíssimo que a minha nora Joana me emprestou.

Fala da sua aventura pelas terras da Patagónia, uma parte mágica da minha querida Argentina... e que eu um dia gostaria de visitar.

Quem sabe!?

Um beijo amiga, e uma boa noite
Viviana

BlueVelvet disse...

Gosto muito de Neruda e sim, se a inocência das crianças nos dá a capacidade de não crescer, então ele não cresceu.
O livro do Gonçalo Cadilhe não li, mas pelo excero deve ser interessante.
Beijinhos tribais

Teresa disse...

Depois de ler este excerto do Goncalo Cadilhe estou com curiosidade de ler o livro.
Nunca tinha ouvido falar deste autor.

Gosto de Pablo Neruda, mas nao é o meu poeta preferido.

Saudacoes outonais, querida Isabel!

PS. A nossa biblioteca da Igreja só abre às tercas, quintas e aos domingos. O meu servico é às tercas. Realmente, os livros sao o meu mundo!