terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Vida

A árvore força da vida,
cravou a raiz na terra.
Seus ramos entrelaçou,
e cresceram,
e a terra beijaram.

Na mão senti o peso,
no coração a leveza.
Dia após dia,
e foram meses,
e foram anos.


Em que esculpi,

meus sentimentos.


Isabel Cabral

8 comentários:

FERNANDA & ASTROLOGIA disse...

Olá querida Isabel, peço-te desculpa só agora ter chegado aqui... eu adoro-te Menina... Mas estava convencida que tinha deixado comentário... Está lindo o teu poema... Um grande abraço do tamanho do mundo,
Fernandinha

Multiolhares disse...

E deixando os ramos crescerem vamos esculpindo a vida
beijinhos

Viviana disse...

Olá Isabel,

Ao primeiro olhar, a imagem impressiona.
Quer pela côr, quer pelos traços.

Depois...

Depois as palavras.

Tão profundas quanto a raíz da árvore...

Bonito, muito bonito.

Obrigada, amiga.
Um beijo

viviana

Artista Maldito disse...

Olá Isabel

Uma árvore demora a crescer e cresce para tocar a leveza do céu com os seus dedos entrelaçados, onde os pássaros vêm fazer ninho. Assim nós crescemos interiormente.

Beijinhos
Isabel

ematejoca disse...

Que poema cheio de vitalide e vida!
Precisamos de poemas destes para encarar o dia a dia com mais optimismo. Obrigada, Isabel!

Gosto mais do quadro do Klimt do que desta imagem. Cada um tem os seus gostos...

Betty Branco Martins disse...

.________querida Isabel





_________cada árvore é um ser_____para ser em nós







vida________...







lindo o seu poema










beijO______ternO

gaivota disse...

e as árvores morrem de pé!
bonito peoma, isabel
beijinhos

Artista Maldito disse...

Bom Dia Isabel

E quem sabe se um dia o seu Gonçalo e eu não poderíamos concretizar um projecto destes? Já sonhei realizar uma curta metragem a partir da ideia de descrever a sensação de entrar no mar, influenciada que fui por esta mania que Ruben A. tinha de descer os rios. Uma viagem entre a origem e a chegada.

Beijinhos
Isabel