domingo, 5 de outubro de 2008

Encontro Real



Ao contrário do que em mim é habitual, hoje vou tentar escrever um texto, sobre o dia de ontem, sem me alongar demasiado.

A imagem destas meninas há muito que me acompanha, nos meus poemas, e num texto ou outro que escrevi.

Elas reflectem na Isabel a sensação de cumplicidades e passam-me essa sensação, essa magia.

Para mim foi o conhecer, e o não conhecer, o passar do virtual ao real, senti-me como que num programa de rádio em que nos pomos a adivinhar se o locutor/a é magro/gordo, bonito/feio,

novo ou velho, e se nalguns acertamos, noutros temos uma percepção completamente errada, da


realidade.

Fisicamente é óbvio que isto pode acontecer, quanto ao resto penso que não me enganei muito, na verdade só conhecia duas pessoas pessoalmente e uma por fotografia.

Foi uma tarde muito bem passada em que falámos de várias coisas , em que se cruzaram conversas, onde toda a gente queria dar a conhecer um pouco de si, mas para primeira vez, acabamos por ficar com a ideia e o conhecimento que no fim já temos dos respectivos blogues.

Não vou falar de ninguém em particular porque acho que o tempo não dá para avaliar em tão pouco ninguém.

Vidas que se cruzaram por esses caminhos fora e que sentiram necessidade de se conhecerem melhor, de partilhar, sem ser através de escritas lidas todos os dias em espaços virtuais.
que não conhecemos, nem sabemos as suas características, mas a partilha deu-se e o cliguéns" ck, penso
Falamos com "alque também.

Agora vou falar um pouco de mim, senti-me um pouco cair de pára-quedas, e para uma pessoa tímida como eu , embora não pareça (pelo menos é o que me diz muita gente), não sei se o que passei para o lado de lá foi aquilo que tento transmitir todos, ou quase todos os dias no que escrevo no blogue.

Tenho que me ambientar e ter alguma confiança já com as pessoas para me expandir um pouco mais.

Se consegui mostrar o espelho daquilo que sou, tanto melhor, se não consegui, pois fiquei com essa sensação, desculpem-me, mas a minha falta de à vontade é habitual quando conheço muitas pessoas ao mesmo tempo, prefiro ir conhecendo gradualmente, é talvez mais fácil porque assimilar muita informação de uma só vez é um pouco complicado, tendo em conta que todas as outras pessoas já se conheciam todas ou quase todas se não estou enganada.
Nem todos nós transmitimos os afectos da mesma forma.
Para mim, uma mão, uma palavra na hora certa é muito importante, por isso eu digo que amo o mundo, não beijo ou abraço um vizinho ou um amigo todos os dias, mas sei, que se a minha mão ou o meu abraço for preciso, na hora certa lá estarei.

E assim acabou o dia, com um sol maravilhoso, com um rio Tejo bem à nossa frente que convidava a uma boa banhoca, uma temperatura excelente (a todos os níveis, tanto climatérica, como pessoal).

Obrigada pelo belo dia que me proporcionaram e que eu espero também ter contribuído para isso.
Quanto às ausências sinto que um dia ainda nos encontraremos todos.
Porque todos fazemos parte deste grande mundo, em que todos cada vez mais temos que dar as mãos.
OBRIGADA
Isabel
"- Amar uma flor de que só há um exemplar em milhões e milhões de estrelas basta para uma pessoa se sentir feliz quando olha para elas"
Antoine de Saint-Exupéry

24 comentários:

Teresa disse...

Que lindo texto, Isabel! Ainda fiquei mais triste por nao estar presente.
Levo, como partilha, a citacao do Antoine, que colocarei no ematejoca azul como moto do encontro.

Saudacoes outonais e chuvosas!

BC disse...

Antes de mais, bom domingo Teresinha.
Obrigada pelas palavras.Ontem mais uma vez percebi que consigo transmitir os meus afectos muito melhor, por palavras.
Os gestos aparecem com a partilha mais prolongada com as pessoas e as cumplicidades também.
Adoro dar beijinhos aos meus filhos, às pessoas que amo, e outras formas de mostrar o quanto gosto das pessoas, mas passando à prática, só com muita confiança.
Acho que passa por uma timidez escondida que aparentemente, não mostro, mas ela está cá.
Exprimir sentimentos nem sempre é fácil.
Beijinhos, e uma ausência notada tenho a certeza

Kleine Hexe disse...

Isabel! Encantaste-me!

A tua alegria no sorrir e braços abertos ao dar sentiu-se profundamente. Gostei mesmo muito da tua presença. Engraçado, dizes ser tímida mas não dei por nada =)
Bem à vontade com todos, iluminaste a mesa, não sei se deste conta hehehhehe =)

Enfim...esta tribo encanta-me...e é como tu dizias noutro dia, por vezes faltam as palavras e fica o sentir.

Beijinhos =)

Multiolhares disse...

Deve te ter sido um dia bem passado,
No fundo é diferente conhecer pessoas que deixam de ser virtuais
Para se estreitarem laços mais profundos
bj

f@ disse...

Olá Isabel,
Eu nem sabia como transmitir em post a tarde de ontem... ao fim do dia ainda me sentia um ET...
Como eu tb conhecia no real apenas uma pessoa no inicio senti-me insegura e pequena,... mas na hora sempre superamos esses pequenos nadas...
Adorei mto mto....
beijinhos gigantes das nuvens

BC disse...

Tu também me encantaste pequena,
grande Kleine.
Eu costumo dizer que sou muito distraída e é verdade,provavelmente, nem dou conta de algumas das minhas reacções, mas quando é em prol de boas coisas, ainda bem que sou distraída.
Já sabes que tens a minha mãozita para o que der e vier.
Podes contar comigo, olho verde.
Beijocas grandes para ti.
Isabel

BC disse...

Pois é Luna atrás de uma máquina,
está sempre um ser que a comanda e isso é o importante.
Beijinhos

BlueVelvet disse...

Querida Isabel,
foi um prazer conhecer-te.
Também não sou muito de me dar a conhecer às primeiras, embora possa falar um bocadinho mais do que tu.
Mas encontros com muita gente não dão para ficar com ideias distintas de da um.
Quando muito podemos sentir certas empatias.
E não, não nos conhecíamos todas: a Fa não conhecia ninguém, eu não conhecia a Daniela nem a ti, e assim por diante.
Mas como disseste foi uma tarde muito agradável.
Muitos beijinhos

Mello disse...

Gostei muito de ler o texto está bem escrito, sincero e afectuoso. A timidez é um mal que me persegue, ninguém diz que sou tímida, só em determinadas situações é que ela se revela, sobretudo, no início do ano lectivo. Quanto ao encontro da “Tribo dos Afectos”, deve ter sido um acontecimento fascinante e muito interessante. É uma iniciativa lindíssima, uma vez que necessitámos tanto de afecto como de água e comida para sobreviver. Ninguém vive feliz sem um sorriso, sem um olhar de cuidado e sem uma mão amiga.

Beijinhos de afecto,

Graça Mello

BC disse...

Olá f@,
Já acordaste?
Não te sintas ET,o que tu sentiste é muito natural, é como pasar da ficção à realidade,são sensações muito muito estranhas,todos sentimos isso concerteza.
Gostei de te conhecer és mesmo das nuvens!!!!
Beijinhos

BC disse...

Pois é Ana,senti uma sensação esquisita,o identificar as pessoas,
de quem nós só registamos palavras todos os dias, sem termos mais nenhuma referência ou identificação,mas tudo vai passando,
o tempo ajuda e agora quando escrevermos um comentário sabemos exactamente a quem é dirigido e estamos em pensamento a visualizar essa pessoa.
Também foi um prazer conhecer-te.
Acho que tudo correu muito bem,sem sobressaltos, e o local era agradabilíssimo.
Beijinhos

BC disse...

Viva Mello,
Embora não tenhas estado presente, obrigada também pelas tuas palavras
afectuosas, porque a vida é feita destas pequenas coisas, destes pequenos momentos.
O MUNDO É POVOADO DE SERES VIVOS.
Os seres vivos precisam de afectos, de sorrisos de mãos amigas.
Beijinhos também para ti

1/4 de Fada disse...

Foi realmente uma tarde bem passada e apesar de eu já conhecer quase todas as pessoas presentes (o que te inclui), compreendo perfeitamente oque sentiste. Tu foste precisamente o reflexo do teu blog, uma pessoa muito afectuosa e transparente.
Beijinhos.

BC disse...

Hoje abri uma excepção no meu blogue e respondi a toda a gente.
Obrigada fadinha por achares que eu sou de facto o reflexo do meu blogue, porque de facto essa é a minha realidade e foi isso que eu sempre quis passar, a verdade, a transparência, eu mesma sem tirar nem pôr.
Eu Isabel
Beijinhos e sorrisos transparentes.

Tentativas Poemáticas disse...

Muito obrigado por visitar o meu blogue. Somos ainda virtuais, é certo, mas por vezes conseguimos dar mais facilmente a conhecer o mais íntimo de nós através do virtual do que pessoalmente, cara a cara.
Belo o seu texto.
Abraço terno.
António

Girafa cor de rosa disse...

Viva Isabel! Gostei imenso de ler este teu post, até porque em princípio eu era também para ir a esse encontro. Por vários motivos, alguns dos quais expliquei à Fátima, não fui, contudo penso que somos todos livres de tomar as decisões que entendemos melhor tomar em determinados momentos e penso também que as amizades verdadeiras (mesmo as que em princípio são virtuais) ultrapassam tudo isso e mais alguma coisa que seja! Acredito que existirão várias oportunidades de vários encontros belos como me pareceu ter sido este. E lá estarei para te conhecer pessoalmente e me dar a conhecer...eu sou tb extremamente tímida e tb eu preferido pouca gente de cada vez, mas ultrapasso tudo isso, porque estar com pessoas interessantes e partilhar faz esquecer tudo o resto! Beijo.

Fátima André disse...

Hoje fui das últimas a chegar... mas como sabes isto tem um significado em termos biblicos...
não que eu não tenha lido bem cedo a mensagem, mas porque precisei de tempo para deixar amadurecer as tuas palavras e, sobretudo, a imagem que fala das nossas cumplicidades... simplesmente lindo!
Beijinhos afectuosos :))

BC disse...

Quando me visitam obviamente que tento retribuir a visita com todo o gosto, e foi o que fiz.
Ainda não tive tempo de ler muita coisa, mas lá chegarei.
Mais uma vez obrigada pela visita, mas ainda não sei quem é a Ana :)
(estou a brincar)
Abraço
Isabel

BC disse...

Olá girafita,
Tenho pena que não possas ter aparecido, mas concordas comigo, e com aquilo que eu disse não gosto de impactos muito fortes.
Lá chegaremos.
Beijinhos

BC disse...

Olá Fátima!
Agora dei comigo também a pensar, depois do teu comentário.
Obrigada por teres gostado das palavras e teres concordado com elas.

"Partilhas", "Cumplicidades".
As minhas cumplicidades, são tão simples, tão transparentes, tão ingénuas, quase infantis.
Todos temos dentro de nós, como sabemos um pouco de criança, eu penso que ainda consigo ter uma boa parte dessa essência.
Outros perdem-na pura e simplesmente.
Criança é um diamante por polir, ou melhor, uma pedra preciosa, que se vai polindo ao longo do tempo, mas no fundo, no fundo, fica sempre
um cantinho lá bem no fundo mesmo que às vezes eescondido dessa essência muito pura, muito transparente.
Nalguns casos infelizmente é perdida pelo caminho, fica por aí.
Costuma dizer-se que:
"DEUS SORRI ATRAVÉS DOS OLHOS DE UMA CRIANÇA".

Todos os que conseguirem caminhar por uma estrada pintada a aguarelas.

Todos os que conseguirem ver o arco-íris quando chove e faz sol.

Todos os que conseguiren sorrir.
Então, eu tenho cumplicidades com muita gente.
"ENTÃO EU SOU AINDA UMA CRIANÇA

Viviana disse...

Olá Isabel,

Depois de ler o seu texto e todos estes comentários e devidas respostas,apercebo-me que esse primeiro encontro da tribo dos afectos, foi mesmo bom!

Congratulo-me com isso.

Eu sabia de antemão que seria uma "coisa muito linda".

Como já lhe disse tive imensa pena de não poder estar convosco.

Eu estava preparadinha para ir, quando surgiram duas situaçoes familiares que me impediram .

Parabens pelo acontecimento.

Aproveito para uma vez mais lhe dizer que tenho por si grande estima, admiração e amizade.

Obrigada por tudo Isabel.

Um abraço

Viviana

BC disse...

Obrigada Viviana, pena não ter estado presente, mas haverá outras oportunidades certamente.
Beijinhos e obrigada pelas suas palavras sempre tão afectuosas.
Beijinhos

RENARD disse...

Minha querida e única BC:

Não te sintas mal por achares que não te "deste" em pleno ao grupo. Senti-te completamente na tua bondade e na cumplicidade que sempre tivemos. Sabes, o essencial é invisível aos olhos! Senti-te com o órgão que realmente vê, o coração!

Adorei-te, assim como o meu Gigante também simpatizou imensamente com todas aquelas mulheres "à beira dum ataque de "carpidagem""!!!!

Um beijo enorme e um abraço sentido aqui da raposinha não tão "inha" como isso! :)

BC disse...

"O essencial é invisível aos olhos"
Mas é indispensável que os olhos vejam o essencial.
E o coração não vê, mas sente.
Beijinhos depois de um dia bastante cansativo