quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Solidão

Ai, esta dor de doer e de sentir
a solidão sentida de ninguém,
esta angústia dorida de fugir
sem ter a mão de alguém!

Ai, este verão-inverno, sem calor,
esta lágrima-chuva, sem chorar,
este querer sofrido sem amor,
esta ausência de ter e de beijar!

Ai, este lago estagnado,
sem ondas, sem correntes, sem paixão!

como dói,
como dói
respirar o vazio
da solidão!
Mariano Calado

15 comentários:

BlueVelvet disse...

A solidão é tudo isto que dizes.
Belíssimo poema.
Beijinhos linda

f@ disse...

Sol(i)dão assim neste poema tem um "sabor" de gota de água...
beijinhos das nuvens

1/4 de Fada disse...

Que bem expressada que está a solidão! Quase a sentimos aqui, de mãos dadas connosco...

Viviana disse...

Olá Isabel,

Sim, é mesmo assim a solidão.

Belíssimo poema.

Obrigada Isabel.

Um beijo
Viviana

Teresa disse...

Este poema do seu pai descreve, na dualidade das suas palavras, a solidao tao intensamente que respirei o vazio da minha própria solidao até doer, doer mesmo muito.
Sabe ele, que tem no estrangeiro uma grande admiradora?

A imagem é linda.

A Isabel também se interessa por literatura, por isso lhe pergunto se conhece Jean-Marie Gustave Le Clézio? Quero dizer se já leu alguma coisa dele. Aqui, só conhecemos "O Africano". Foi uma boa surpresa a escolha deste autor. Mas eu gosto de surpresas. Aqui estavam a contar com a Herta Müller.

Saudacoes outonais!

PS: Eu adoro a Casa de Chá na Boa Nova. Já que tem fotografias, por favor, coloque-as no seu blogue.

BC disse...

Olá Teresinha,
Vamos por etapes.
Quanto ao poema do meu pai, e à admiração entregar-lha-ei e dar-lhe-ei o recado.

Quanto a Jean-Marie Gustave Le Clézio, sou franca nunca li nada.
Concerteza que a escolha terá sido boa, irei à procura de algo para ler,depois digo-lhe.

Da casa de chá vou tentar procurar
as fotos, todas elas são com gente
tanto quanto me lembro, já não são
de agora, mas vou tentar.
Beijinhos e espero ter respondido a tudo.

gaivota disse...

isabel amiga, mais um poema do teu pai que nem preciso de dizer nada, tá tudo expresso e bem, é a solidão descrita... triste...
às vezes até que sabe bem...
beijinhos

Vieira Calado disse...

Creio ser a 1ª vez que aqui venho. Achei interessante,
Cumprimentos.

BC disse...

Obrigada pela visita.
Engraçado termos o mesmo apelido, e
poeta a sério, com os livros que já tem publicados, eu apenas me entretenho.
Quem sabe, visto ser de família,(a minha,como é óbvio,já dois irmãos publicaram para além do meu pai,que esse já lhe perdi a conta) eu também um dia me decida a fazê-lo.
Abraço e obrigada

Girafa cor de rosa disse...

Obrigada por esta deliciosa partilha...lindo poema! Beijinho.

Teresa disse...

Estórias - As "estórias" do "Era uma vez".... Das princesas e dos princípes, dos duendes e dos mágicos, das feiticeiras e das fadas, nem sempre acabam bem. Nos nos... Nao encontro, Isabel!

Obrigada, Isabel, por ter visitado o blogue do Diogo.

Storinha disse...

Olá Isabel...obgdo pela tua mensagem no meu cantinho...realmente não tenho aparecido muito por aqui. A vida às vezes, além do trabalho deixa-nos sem tempo, sem vontade de vir aqui. Ando deprimida, sinto-me muito sózinha,... este poema vem mesmo a propósito. E depois este ano de trabalho está aser complicado, confuso, desorganizado e deixa-me ainda mais angustiada. Daí a minha ausência...
Beijinho

BC disse...

Olá storinha,eu sei aparecer e não me esqueço das pessoas que eu sei que mesmo distantes por vezes, pensam em nós.
Agora peço-te publicamente uma coisa, nunca digas que te sentes sozinha,eu tenho sempre várias mãos prontas para , está bem?
Há sempre alguém, acredita, e há a tal estrela que nunca nos abandona,nas fases más da vida e é nela que temos que acreditar, porque atrás dela existe sempre alguém pronto a amparar quando é preciso ouviu.
Beijinhos e sorrisos, e sabes que estou aqui neste cantinho
Isabel

BC disse...

prontas para os amigos-fugiram as palavras desculpa

Joana Carvalho disse...

Bonito poema...palavras certas sobre solidão! São várias as formas de a sentir, no entanto creio que custe ainda mais estar no meio de muitas pessoas, e mesmo assim sentirmo-nos sozinhos pela falta de uma...
Agradeço imenso as suas palavras no meu blog, ou melhor...no cantinho da minha mãe. Peço desculpa pela demora em responder, mas tive em estágio, ontem e hoje, e só hoje (terça) regressei a casa e vi os seus comentários, os quais gostei muito. Beijinho grande...