quinta-feira, 12 de junho de 2008

Cabo Não




Soltam-se as velas,
dos abraços longos.
O leme vai no rumo das estrelas
no lúcido rumar da descoberta
e a gente sabe que, em sonho,
só de vê-las,
mesmo antes de dobrar o cabo Não,
o que apetece
e tece
é agarrá-las na mão.

MC - "A Fuga do Silêncio"

8 comentários:

Maria do Carmo Cruz disse...

"Soltam-se as velas dos abraços longos". Que música, neste verso! E que Fé nessa certeza de dobrar o cabo Não! Mas o Sr. MC já há muito tem o poder de agarrar e de tecer estrelas, como o prova neste Poema. Que me fez lembrar aqueloutro que eu sabia de cor e já não sei: "Quando eu for grande, Mãe, hei-de agarrar aquela estrela alé, a mais pequenina, que treme de medo sobre o forte de Santa Catarina. Quando eu for grande, Mãe (amanhã já sou grande, Mãe?)"
Tem um belo dia e apoveita o calorzinho. Beijo da Avó Pirueta

Teresa disse...

Carmo, depois destas tuas palavras, já nao tenho a coragem de escrever nada. Tudo que escrevesse era pobre e inutil.

Querida Isabel, só me resta mandar-me os meus votos de um dia bonito. Aqui está a chover. Sao as lágrimas de terem perdido ontem.
Adoro vir aqui para descansar a alma. Os poemas que aqui posta sao sempre um "miminho" como diria a Fátima.

Um beijinho de Düsseldorf!

Fátima André disse...

Um miminho e um bálsamo.
bj*****

Um até já ;)

RENARD disse...

BC:

cabo Não... Curiosa expressão...
A Renard ficou pensativa... Ok, Ok, mais ainda!

Uma valente beijoca à minha irmã tribal que guardo no coração todos os dias...

Viviana disse...

Olá Isabel,

È sempre um encantamento vir aqui!

Temos a sensação que entramos noutro mundo!

Que não este onde estamos plantados!


Nos últimos dias não tenho vindo aqui porque aconteceram várias coisas que me levaram para outras paragens...

Mas, tudo está muito bem!

Graças a Deus!

Tenha um excelente fim de semana

um abraço
viviana

Raul Martins disse...

Pessoas que se cruzam,
que nos marcam,
e nesse marcar,
deixam um rasto,
gostoso, duradouro
que nos faz bem,
que nos faz sentir
importantes.
São momentos.
São instantes.
Mas desses momentos,
desses instantes,
Faz-se Vida!!!

Apenas para sublinhar o quanto este texto retrata a vida duma tribo bonita que algures cresce por aí!
.
Deixei estas palavras aqui porque mais abaixo não consegui ficar não sei bem porquê. Espero que aqui não haja problemas.~
.
Carpe diem!

BC disse...

Cheguei agora a casa, por isso só agora venho aceitar os mails com os comentários.

Para o Raul,este passou, mas comigo
ontem aconteceu o mesmo, alguns comentários não passaram.
Problemas com a internet?
Talvez...
Boa noite para todos!!!

Marta disse...

Sentir-se despida de todos os problemas terrenos e mergulhar numa paz...
Uma sensação tão boa estar em paz....
Lindo...
Obrigada pela visita.......
Beijos e abraços
Marta