quinta-feira, 5 de junho de 2008

Sorriso vai à lua

Imagem google

E o Sorriso viajou,
Foi até à lua,
num foguetão,
que era azul,
Para lá voou.
Ainda era dia,
empurrado
pelo vento sul.
Não disse não,
a tal desejo guardado
já há tanto no seu coração.

Sonhava acordado
por todo o lado,
estava sozinho,
poderia encontrar companhia
que o protegesse,
de noite e de dia,

Quando lá chegou,
a lua o beijou,
com seus cabelos desgrenhados,
ele falou,
sentiu um frio,
um arrepio,
percorrer-lhe todo o corpo,
correu e saltou,
de cá, para lá,
de lá para cá.
Sentia-se leve.

E pensou,
no seu planeta azul,
e no mar, com o vento,
vindo de sul,
o frio, e o medo,
assustaram-no.
Estava tão longe, tão alto.
De companhia,
só as estrelas,
e uma mais simpática,
com ele sorria,
noite e dia,
mas também nada
de especial lhe dizia.

Pensou então em voltar,
e gritou, gritou,
mas ninguém o ouvia.
Era preciso acordar.
Aquilo, não era vida,
para ele
Queria partir de novo,
precisava de algum carinho.
Abrir os olhos,
que estavam fechados,
e levantar,
de um sonho,
que na realidade
nunca existira!!!
Isabel Cabral
O" SORRISO" para quem não sabe, foi uma personagem criada por mim ,que já tem por aí alguns episódios e terá mais certamente!!!!




11 comentários:

Fátima André disse...

Que SONHO tão bonito.
Obrigada :)

Marta disse...

Precisamos todos de um sorriso, dado com tanta ternura....
Lindo poema e aqui deixo o meu sorriso...
Beijos e abraços
Marta

gaivota disse...

também quero um sorrisoooooooooooo
assim...
nestes dias, que nunca mais deixam o sol fixar residência, faz mesmo falta um sorrisoooooo, um sorrisão!!!
lindo!
beijinhos

RENARD disse...

Que visão tão bonita das coisas que tem BC. É uma lufada de ar fresco ler os poemas que escreve.
Não tenho escrito porque não me sinto em condições para tal.
Assim que achar que tenho algo para dizer, escreverei...
Obrigada pela nossa conversa particular.

Beijos

Teresa disse...

A Fátima tem razao quando diz: o facto de as pessoas nao deixarem comentários, nao significa que por aqui nao passam.
E na verdade eu visito este blogue todos os dias desde Abril 2008.
Esta manha também o visitei sem deixar comentário.
Gosto de ler os poemas que costumam aqui estar. Leio-os sempre em voz alta. Faz-me bem ao meu espírito.
Claro que é agradável ter um comentário no blogue, e venho agradecer o seu.
Agradecendo os poemas, mando mil :):):)

Maria do Carmo Cruz disse...

Isabel,por real decreto meu, ficas a saber que hoje, amanhã, depois de amanhã e todos os dias que se lhe seguirem são e serão "Dia do Sorriso". Do teu Sorriso e de todos os Sorrisos que dele nascerem. Antiguidade é posto e agradeço que não desfaçam a minha legislação. Sabes, eu sou um zero a desenhar, a pintar e coisas assim. E tinha muita pena. Mas mesmo muita. Um dia, um Aluno de um Curso Nocturno disse, a respeito de uma frase que escrevi no quadro, num arranque para um exercício de escrita criativa: OH, Professora, a senhora pinta com as Palavras!" Olha, curei-me completamente. E achei que deveria fazer tudo o que estivesse ao meu alcance para merecer aquele elogio. Que era, ele próprio, uma Pintura com Palavras. Tu pintas com Palavras tudo o que escreves. E agora, posso pedir-te um favor? Qual é o blogue da renard? Quero ir lá visitá-la... Um xi-coração, de Sorriso para Sorriso, da Avó Pirueta

Raul Martins disse...

E de sorriso em sorriso fomos criando esta tribo (em vez de cidade?!) de afectos. Sem fronteiras. Não há acasos. Há encontros! (não é Carmo?) E sem fronteiras, de várias cores e várias línguas.
.
Não sei se a Carmo já tem a resposta sobre o blogue da renard, mas é só clicar sobre o nome dela que vái viajar direitinho para o mundo dela.
.
Carpe diem!

BC disse...

Ontem fui à lua com o Sorriso, e voltei.
Quando cá cheguei senti uma certa nostalgia, umas saudades das minhas
estrelas que embora não falassem me diziam tanto ao piscarem e sorrirem para mim.

Dei comigo a pensar, quando cheguei
a este planeta, as pessoas eram simples letrinhas (eu própria).
Não havia rostos, não havia vozes...
Apenas palavras que espelhavam a alma de cada um.
Aos poucos essas iniciais tornaram-se num nome, um nome verdadeiro,simples e pertencia a uma pessoa que era o espelho desse nome.
O MUNDO VIRTUAL É ASSIM.
Procurei nos poemas, nas palavras,
deixar sempre mensagens, mensagens oportunas,talvez tenha falhado.
Mas ontem a avó disse que eu pintava as palavras que escrevia, e isso foi o maior elogio que recebi porque foi sempre isso que eu quis passar cá para fora, pintar
as palavras, pintar o mundo que é tão cinzento, quis torná-lo mais colorido.

Mas cheguei à conclusaõ que por vezes, não precisamos de muitas palavras.
Um sorriso simplesmente!!!!

Maria do Carmo Cruz disse...

Querida Isabel, li o teu comentário e fiquei preocupada. algo quer ofuscar o teu Sorriso. Não deixes! Está tudo bem? À cautela vou meter uma cunha aos meus Amigos lá de Cima.
Um Sorriso abre mais portas do que mil gazuas: esta é a minha frase-talismã quando começo a falar de humanização. Se gostares da frase, dou-te, é tua. Posso dar-ta porque eu que a forjei.
Um SORRISO da Avó Pirueta

Fátima André disse...

Querida Isabel,
Há sentimentos que nem precisamos de transmitir por palavras, sentimo-los das mais variadas formas, no silêncio, no brilho do olhar, no sorriso, na presença...
As pessoas a quem queremos muito bem sabem que estamos sempre a elogiá-las com todo o nosso SER.
Todos os meus sentimentos estão pintados no arco-íris. Saberá a Isabel interpretá-los?
Um beijinho muito grande.
Obrigada por todas as suas pinturas e as pinturas dos seu pai.
Não se esqueça de lhe dar uma abraço meu de agradecimento pela pessoa e pelo pai maravilhoso que ele é. Não tive um pai assim, mas gostava muito de ter tido...

BC disse...

Obrigada avó, não fique preocupada.
Estou bem.
Se algo quer ofuscar o meu sorriso,não vai conseguir, e decidi
isso agora com as suas palavras.
Tenho amigos na "Tribo"e fora dela.
Como diz a renard, "tribo" é para isso mesmo.
Sou forte, "e um dia pensei que era uma menina muito frágil que se alguém soprasse eu voaria".
Como o meu pai disse no poema que fez quando eu nasci"...e se algum dia filha o alento te faltar,
tem a certeza, amor, que hás-de encontrar um grande amor nos braços dos teus pais!
Isabel