sábado, 10 de maio de 2008

Despedida


Na sequência de "Um Poema para Mariana", em que tentei, quando o fiz, de alguma forma, exprimir a minha solidariedade para com a minha filha, naquela fase da vida que ia começar, e que todos nós sabemos que não é fácil que é a adolescência tudo toma proporções gigantescas, nestas idades as pequenas coisas tornam-se enormes, "os pequenos grandes-dramas "que nos fazem chorar, tudo iria começar, lembrei-me, e, pensei que os homens também teriam uma palavra a dizer, embora não se exprimam, ou melhor não dêem a cara como as mulheres.
Mas, contrariando um pouco essa ideia fabricada de que os "homens não choram"resolvi procurar
um poema do meu pai que deita por terra essa teoria. Os homens também se preocupam, também têm sentimentos, também sofrem, exprimem-no é de outra forma.
Depende também da sensibilidade, do feitio de cada um, da forma como se manifestam.
Porque eu sei que os homens também choram, e ainda bem. Obrigada, mais uma vez pai("roubei-lhe", outro poema). Mas, obrigada pai, por saber sorrir, e por também saber chorar.
Ultimamente temos partilhado muitas palavras. Sabe tão bem!
Ainda na quinta-feira o fizemos, mas sabe sempre a pouco, é bom ter a sorte de poder falar com
pessoas como o pai. E lá vai encontrar mais uma vez neste bloguezito da sua "querida filha", outro poema seu. Um bloguezito onde as palavras Falam, Sorriem, mas que às vezes também Choram...

"O MEU MENINO PARTIU"
O meu menino partiu
triste e triste me deixou.
Foi procurar as estrelas
que o seu país lhe negou.
Transportava nos olhos as guitarras
com que o destino chora o nosso fado.
Nas mãos levava o canto-desencanto
do seu sonho traído e destroçado
O meu menino partiu
triste e só, ternura e mágoa,
deixando-me o desespero
nos meus olhos rasos de água
Albergava no peito, bem no fundo,
um luzeiro faminto de esperança
e, no silêncio com que me abraçou,
o grito do seu sonho de criança.
O meu menino partiu,
sonho e raiva de abalar.
Mas este país-silêncio
que lhe negou as estrelas
com que, menino, sonhou
poder ter para brincar,
há-de, um dia, ser rebento
feito renovo no vento
pra que possa regressar.
O meu menino partiu
mas há-de , um dia, voltar.
Mariano Calado
in
Raízes de Maresia

25 comentários:

Viviana disse...

Muito lindo!

Neste País muitos meninos partiram e parece que agora...
novamente tantos a ir...

Um abraço

viviana

BC disse...

Este poema foi feito há já alguns anos atrás, mas acaba por estar sempre actual!
Um beijo
Bom Fim de Semana

Nuno de Sousa disse...

Cá estou eu, sou bem mandado :-).
E adorei o que vi embora o teu blog tenha poucas fotos tuas com pena minha, poderias aproveitar mais em fazeres um conjunto e teres um blong mais pessoal, com fotos tuas e textos.
Pode ser q começes a fazer mais isso daqui para a frente.
Adorei este post mto interessante e com um bonito poema. Passei por outros e temos aqui mto que ler, estive a ver as tuas fotos no slide e adorei, tenho algumas bem parecidas e a nossa idade não deve andar mto longe.
Sendo assim parabéns pelo teu espaço e cá voltarei mais vezes.
Bjocas grandes de outro carneirinho :-)
Nuno

BC disse...

Obrigada Nuno!
Fica o desafio, de facto tenho muita coisa mas detesto expôr-me,as fotografias que postei foram mesmo para ilustrar as palavras.
Quanto ao slidshow, foi outra música,foi mais uma homenagem aos meus pais, no dia dos meus anos, e muitas ficaram por postar ,talvez as mais engraçadas, mas depois baralhei-me toda com aquilo e já não as adicionei.
de uma carneirinha para um carneirinho, um :)

Multiolhares disse...

Os homens também choram ou deveriam chorar, os homens são seres viventes como as mulheres apesar das mulheres serem mais coração e os homens cabeça os sentimentos estão lá, não é por chorar que se tornam menos homens
beijinhos

BC disse...

Pois é isso mesmo Luna, mas as mentalidades ainda, são muito fechadas em algumas pessoas, e um homem chorar é péssimo, antigamente sabes qual era a frase usada por muito boa gente"Um homem não chora"(com isto está tudo
dito).
Eu sou uma pessoa muito tímida (extremamente, embora possa não parecer),mas como sou muito afectuosa e muito miminhos,que gosto de dar à família, aos amigos,mas por vezes até temho medo
de me exprimir, não para as pessoas que me conhecem há muito tempo, aí sou quase um anjo, que exagero, mas é verdade e aí não sou modesta porque sei que existe muita gente a gostar de mim, e isso é muito bom!
Beijinhos

BC disse...

temho - tenho
Gosto de dar miminhos mas também gosto de receber, e nisso tenho tido muita sorte, os mimos são recíprocos.

f@ disse...

olá
.. já vim cá agradecer mas não consegui comentar... gostei mto da sletras .... e o menino partiu só ternura... beijinhos das nuvens

BC disse...

Obrigada f@ pela visita.
Volta sempre, da terra para as nuvens
Com afecto!
Beijinhos também para ti...

Raul Martins disse...

Obrigado pela partilha de mais um poema do seu pai. Um texto vivido e sofrido. Nós, os homens, realmente temos mais dificuldade em expressar os nossos sentimentos. Somos assim. E por isso é que somos "complemento" da mulher. Tenham paciência.
Carpe diem!

Raul Martins disse...

ESQUECI-ME, TENHO LÁ UM TEXTO DE UM JOVEM.

Marta disse...

Triste o poema - cheio de verdade e de ternura...
Porque não chorar quando é isso que se sente?? Homem ou mulher, mas infelizmente há muita gente que confunde as lágrimas com fraqueza...
Obrigada pela visita...
Até já
Beijos e abraços
Marta

Fátima André disse...

Isabel,
Que belo "roubo". Destes vale a pena!
Felicidade a sua ter assim um Pai. Parabéns!
E obrigada pela partilha generosa.

Fátima André disse...

Posso "roubar-lho" também?

Isabel,
Vou ousar pedir-lhe que me autorize a publicação deste poema no meu espaço "Hora da Poesia".
Não tem pressa, peça lá autorização ao seu pai. Não quero que ele se zangue.
Um sorriso para ambos :) :)

BC disse...

Fátima, já está autorizada, embora
não tenha falado com o meu pai, ele é muito acessível, de qualquer modo vou comunicar-lhe por respeito, é evidente (desde que nasci, nunca me lembro do meu pai se ter zangado comigo nunca).
Isso quererá dizer alguma coisa
Um sorriso dos dois também para si!

Fátima André disse...

Isabel,
obrigada pela gentileza. Mas vou aguardar pela palavra do seu pai.

Vejo que se perdeu o meu primeiro comentário (coisas das tecnologias). Antes do pedido, agradeci-lhe a generosidade da sua partilha e felicitei-a por ter assim um Pai entre nós. Parabéns!
:)

BC disse...

Fátima, afinal não se perdeu, só que a minha caixa postal, está sempre cheia,porque tenho muitos amigos, que não comentam no blog, comentam por fora, não gostam de se mostrar (são como os adolescentes), e depois a minha caixa está sempre cheia e dá confusão, tinha saído, comecei a abri-los e deve ter ficado para trás.Já vou telefonar ao meu pai a
dar-lhe conhecimento do pedido, fique descansada.
AB.

BC disse...

Amigo Raul!
Assustei-me, pensei que estavas zangado comigo (sem razão, mas ocorreu-me).Letras grandes "Esqueci-me tenho lá um texto de um jovem", pareceu-me um ultimato de última hora (digo coisas tão lindas).
Falando a sério, o outro comentário abafou o primeiro que acabou por ficar publicado depois,
mas chegou primeiro.
Ainda bem, eu poderia arranjar muita coisa com os adolescentes que conheço mas estamos numa altura má por causa dos testes, exames e por aí, mas se surgir,cá aparecerá publicado
De qualquer forma daqui ainda continuamos a enviar sorrisos aos amigos, por isso, meu amigo um sorriso grande e bem disposto para ti...

BC disse...

Fátima!
Já falei com o meu pai, ele não só autorizou, como lhe agradece!
Fique bem.

Fátima André disse...

Isabel,

Agradeço-lhe imenso e ao seu pai a bondade que habita nos vossos corações.
Será então publicado na rubrica "Hora da Poesia" (sempre ao fim-de-semana).
Tudo de Bom!

1/4 de Fada disse...

Que poema tão bonito e tão triste. Ultimamente tudo o que diz respeito aos "pais" me deixa triste. O meu pai, a maior referência masculina da minha vida, está muito doente, infelizmente.
Obrigada pelo poema. Beijos.

BC disse...

Peço desculpa 1/4 de fada pois não tinha agradecido o teu comentário, mas não tinha passado, por alguma razão,só agora é que vi que tinha um comentário não moderado, por isso cá vai.
Sinto pelo teu pai, ainda por cima são sempre as nossas maiores referências como homens ("para nós
meninas")pelo menos comigo isso aconteceu sempre, a cumplicidade entre pai e filha é maravilhoso.
Beijinhos para ti, dá um sorriso por mim ao teu pai, embora não o conheça.

Anónimo disse...

achei engraçado ver este poema feito quando eu estava na Suiça, e sem perspectivas de voltar, à mais de 20 anos atras e percebe-se a angustia dos pais quando os filhos estao longe

BC disse...

Se o anónimo és mesmo tu quem eu penso, o poema, foi mesmo dedicado à tua pessoa.
Se não é quem eu penso para a outra vez identifica-te.
Beijinhos e sorrisos menino da Suíça de há vinte anos atrás !!!

Anónimo disse...

o anonimo e o miguel que se esqueceu de por o nome